Beja recebe Encontro Ibérico em Necessidades Educativas Especiais

Os docentes do Mestrado em Educação Especial, em colaboração com o CRENEE, do Instituto Politécnico de Beja e o GTAEDES vão levar a efeito nos próximos dias 28, 29 e 30 de novembro de 2018 o Encontro Ibérico em Necessidades Especiais subordinado ao tema “Transição para a vida adulta: percursos reais, possíveis e desejáveis”. O Encontro vai ter lugar no auditório do Instituto Politécnico de Beja.

As inscrições já estão abertas e pode, para o efeito, preencher o formulário de inscrição.

Mais informações, incluindo programa: Programa (TXT, 8KB, 5 páginas A4) | Programa (PDF, 1.5MB, 5 páginas A4)

Programa

1º dia: 28 de novembro de 2018

  • 8.30 Receção dos Participantes
  • 9.30 – 10.15 Sessão de Abertura
    • Ana Sofia Antunes (Secretária de Estado da Inclusão das Pessoas com Deficiência) *
    • Humberto Santos (Presidente do Instituto Nacional para a Reabilitação)
    • João Paulo Trindade (Presidente do IPBeja)

    • José Pedro Fernandes (Diretor da ESE de Beja)
    • Paulo Arsénio (Presidente da Câmara Municipal de Beja)
  • 10.15 – 11.00
    • “Conceitos, razões e caminhos para a Educação Inclusiva”- David Rodrigues (Pró-Inclusão – PIN-ANDEE)
  • 11.00 – 11.30 Café
  • 11.30 – 13.00
    • “Educar para a vida adulta, o que é essencial?” – Vítor Cruz (FMH – Univ. Lisboa)

    • “Educar para a vida adulta: Ciência ou Arte?” – Luzia Lima-Rodrigues (Pró-Inclusão – PIN-ANDEE)
    • “ACTOS: Artes do Palco para a Inclusão”- Gisela Cañamero (Arte Pública – Beja)
  • 13.00 – 14.30 Almoço
  • 14.30 – 16.00
    • “As transições das pessoas com Necessidades Especiais entre serviços e a necessidade de mediação nesse processo” – Mário Pereira (ASSOL)
    • “Intervenção Centrada na Pessoa: novos caminhos para a Inclusão” – Elisabete Mendes (ESECS – IPPortalegre)
    • “Transição para a vida adulta de jovens que foram abrangidos por currículos específicos” – Maria Teresa Santos, Adelaide Espírito Santo, José Pereirinha Ramalho, Cesário Almeida, Maria Cristina Faria e José Espírito Santo (ESE_IPBeja)
  • 16.00 – 16.30 Café
  • 
16.30 – 17.30

    • José Tierra (Universidade de Huelva) *
    • “Capacitar para Integrar” – Vera Neca (CERCI Beja)
  • 17.30 – 18.30
    • “Nova Legislação – Nova Escola?” – Grupos de discussão Sessão de Posters
  • 19h Programa social e cultural

2º dia: 29 de novembro de 2018

  • 9.30 – 11.00
    • “O processo de preparação para a inserção na vida adulta: percursos e adversidades” – Teresa Baião e António Gonçalves (Ag. Escolas nº1 de Beja)
    • “Transição para a vida adulta – Um novo trilho” – Guadalupe Charraz (Ag. Escolas no 1 de Serpa)
    • “Papel do Centro de Recursos para a Inclusão no apoio aos Planos Individuais de Transição” – João Adolfo Nogueira (CRI da APCO – Odemira)
  • 11.00 – 11.30 Café
  • 11.30 – 13.00
    • “Transição para a Vida Ativa: mito ou realidade?” – Sofia Santos (FMH – Univ. Lisboa)
    • “Paradoxos da Sociedade Inclusiva: Da Escola Inclusiva para os Centros de Atividades Ocupacionais, onde é que anda a ética?” – Pedro Parrot Morato (FMH – Univ. Lisboa)
  • 13.00 – 14.30 Almoço
  • 14.30 – 16.00
    • “Transição para a vida adulta de pessoas com deficiência intelectual e multideficiência: desafios, riscos e (in)eficácias” – Julieta Sanches (FENACERCI)
    • “A autorrepresentação na cidadania das Pessoas com Deficiência e Incapacidade” – Sónia Nunes (CERCICOA – Almodôvar)
    • “Emprego das pessoas com deficiência: Aqui chegados, que caminhos?” – Leonardo Rafael Conceição (IEFP)
  • 16.00 – 16.30 Café

  • 16.30 – 17.30 – Testemunhos na 1a Pessoa

    • “O que podia ter sido o fim, foi o princípio” – Bruno Domingos
    • “História de uma vida” – Maria Inácia Campaniço
  • 
17.30 – 18.30
    • “Autodeterminação e Serviços de Apoio” – Grupos de discussão
    • Sessão de Posters
  • 
19h Programa social e cultural

3º dia: 30 de novembro de 2018

  • 9.30 – 11.00
    • “Inclusão para o Conhecimento. Ciência, Tecnologia e Ensino Superior” – Ana Alves Pereira (Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior)
    • “O papel do GTAEDES na inclusão do Estudante com Necessidades Específicas no Ensino Superior” – Alice Ribeiro, Lília Pires e Graça Seco (GTAEDES)
    • “Transição para o ensino superior: oportunidades e desafios” – Lília Pires (Fac. Letras – Univ. Lisboa)
  • 11.00 – 11.30 Café

  • 11.30 – 13.00
    • “Desafíos y retos para construir una universidad inclusiva” – Anabel Moriña (Univ. Sevilha)
    • “La Formación del Profesorado Universitario en Educación Inclusiva y Discapacidad” – Beatriz Morgado Camacho (Univ. Sevilha)
    • “Procesos de inclusión real de personas con discapacidad en los niveles educativos superiores: apoyos e itinerários” – María Rosa Oria Segura (Univ. Extremadura)
  • 13.00 – 14.30 Almoço
  • 14.30 – 16.00
    • “Criatividade na Cultura de Inclusão: Estratégias criativas e flexíveis num Ensino Superior para todos” – Sara Bahia (Univ. Lisboa)
    • “Discriminação Positiva no Acesso à Informação, o caso do Centro de Recursos para a Inclusão da Universidade de Évora” – João Garcia e Carla Santos (Univ. Évora)
    • “Repositórios Digitais de Material Educativo: para ser acessível não basta ser digital nem ter tecnologias de apoio” – Jorge Manuel Fernandes (FCT)
  • 16.00 – 16.30 Café

  • 16.30 – 18.00

    • “Necessidades Especiais na Universidade de Évora: o percurso” – Suzete Rico (Univ. Évora)
    • “Vozes dos Estudantes com Deficiência no Ensino Superior: O que pensam? O que sentem? O que desejam?” – Maria Helena Martins (FCHS – Univ. Algarve), Maria Leonor Borges (ESEC – Univ. Algarve) e Teresa Gonçalves (Instituto de Educação – Univ. Lisboa)
    • “Desafios da Inclusão de uma aluna surda no Ensino Superior” – Adelaide Espírito Santo (CRENEE – IPBeja)
  • 18.00 Sessão de Encerramento

Contingente especial para alunos com deficiência pela 1ª vez na 2ª fase do Concurso de Acesso

Encontra-se concluída a 1ª fase do Concurso Nacional de Acesso (CNA) ao ensino superior público para o ano letivo 2018-2019. São 43 992 novos estudantes colocados de um total de 49 362 candidatos, o que corresponde a uma taxa de sucesso de 89% – a maior taxa de sucesso desde 2013-2014.

Pelo terceiro ano consecutivo regista-se a tendência de crescimento dos estudantes que entram por via do contingente especial existente para candidatos com deficiência. Este ano foram colocados 185 estudantes na primeira fase do Concurso Nacional de Acesso e podem ainda entrar mais, pois, pela primeira vez na história do CNA, a 2ª fase do Concurso contempla também o contingente especial – esta é uma medida enquadrada no programa de Inclusão para o conhecimento, promovido pelo MCTES.

No âmbito da ação do MCTES, destacam-se, entre outras, iniciativas como:

As candidaturas à 2ª fase do Concurso Nacional de Acesso estão abertas até ao próximo dia 21 de setembro.

Acesso ao Ensino Superior – edição 2018

Em julho tem início o concurso nacional de acesso ao ensino superior 2018, organizado pela Direção-Geral do Ensino Superior.

Apoio à tomada de decisão de alunos com necessidades especiais

1. Contacte os gabinetes das Instituições de Ensino Superior

A equipa do Balcão incluIES compilou os contactos dos gabinetes de apoio e criou o Diretório de Contactos dos Gabinetes de Apoio das IES

2. Consulte as condições de acolhimento das IES

No sítio Web da DGES encontra uma página com Informação sobre as IES.

3. Partilhe informação previamente com as IES para melhorar as condições de acolhimento

Contacte as Instituições de Ensino Superior e partilhe previamente informação com os profissionais das mesmas. Isso irá certamente potenciar um melhor acolhimento no futuro próximo.

Outras informações úteis

Contingente Especial

Extensão do contingente especial para candidatos com deficiência física e sensorial à 2ª fase do Concurso Nacional de Acesso e aumento das vagas para 4% na 1ª fase e 2% na 2ª fase.

Bolsas de estudo

Atribuição de bolsas de estudo, correspondente ao valor da propina efetivamente paga, para os estudantes com incapacidade igual ou superior a 60%.

Balcão IncluIES

Criação na página web da DGES do Balcão IncluIES, portal que reúne conteúdos sobre apoio à deficiência, em particular no ensino superior.

Inquérito

Aplicação de um inquérito às IES (edição 2017/18), pela Direção Geral de Estatísticas da Educação e Ciência, a todas as Instituições de Ensino Superior portuguesas sobre as condições das mesmas no apoio aos estudantes com Necessidades Educativas Especiais.

fonte: DGES. 2018.

Necessidades Educativas Especiais 2017/18 – DGEEC divulga inquérito ao Ensino Superior

A Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC) divulgou esta terça-feira, 26 de junho, os resultados do Inquérito às Instituições de Ensino Superior e respetivas Unidades Orgânicas sobre necessidades educativas especiais – 2017/18.

De acordo com o relatório agora divulgado:

  • 1644 alunos com necessidades educativas especiais estão inscritos em instituições de ensino superior;
  • diplomaram-se em 2016/17 303 estudantes com necessidades educativas especiais em estabelecimentos de ensino superior, 61% dos quais em licenciaturas;
  • 56,3% das instituições de ensino superior possuem regulamentação para alunos com necessidades educativas especiais;
  • existem Serviços de Apoio em 45,5% das instituições de ensino superior e em 50,1% das unidades orgânicas;
  • 98,5% das unidades orgânicas organizam transportes adaptados com regularidade para trajetos específicos ou em situações pontuais.

O Inquérito às Instituições de Ensino Superior e respetivas Unidades Orgânicas sobre necessidades educativas especiais – 2017/18 surge no âmbito do programa Inclusão para o Conhecimento, criado pela área governativa da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior em articulação com a Direção-Geral do Ensino Superior (DGES) e a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT).

Este programa tem como objetivos promover condições adequadas à inclusão de pessoas com necessidades especiais em termos de formação, desempenho de atividades docentes e de investigação, de participação ativa na vida académica, social, desportiva e cultural, e acesso geral ao conhecimento no contexto das Instituições de Ensino Superior e do Sistema Científico e Tecnológico Nacional.

Em consonância com o compromisso do XXI Governo para com a promoção da acessibilidade dos cidadãos com necessidades especiais ao ensino superior e ao conhecimento (estudantes, docentes e não docentes e investigadores), a área governativa da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, em parceria com outras áreas governativas e diversas instituições, promoveu, para além deste inquérito, um conjunto de iniciativas:

  • criação do Grupo de Trabalho para as Necessidades Especiais na Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (GT-NECTES) cujas recomendações integram o Plano Estratégico para as Necessidades Especiais em CTES, estando, algumas das recomendações a serem já implementadas;
  • lançamento do Balcão IncluIES no site da DGES, que passou a reunir num único sítio conteúdos sobre apoio à deficiência;
  • criação no ano letivo 2017/2018 da Bolsa de Estudo para Frequência do Ensino Superior de Estudantes com incapacidade igual ou superior a 60%, a qual foi atribuída a 486 estudantes num montante global superior a 660.000 euros;
  • alargamento do contingente especial para candidatos com deficiência física e sensorial no Concurso Nacional de Acesso 2018 (CNA), com aumento das vagas e extensão do contingente à segunda fase do CNA: 1.ª Fase do CNA – 4% de vagas para candidatos com deficiência física e sensorial, 2.ª Fase do CNA – 2% de vagas para candidatos com deficiência física e sensorial.

Referências

GTAEDES reúne-se para discutir BAES

O GTAEDES esteve reunido, no passado dia 8 de fevereiro de 2018, para analisar o futuro da BAES – Biblioteca Aberta do Ensino Superior. No essencial, foram três os temas em análise:

  • Que formatos digitais devem ser adotados pela BAES
  • Como catalogar os documentos da BAES
  • Qual a infra-estrutura que a BAES deve adotar

Nesta página vamos dar conta das apresentações e também da evolução dos temas referidos.

Apresentações

Formatos – reflexão

Trabalho exploratório

No caso dos Materiais Educativos parece ser hoje mais claro que é importante:

  • distinguir entre os formatos de armazenamento – chamemos-lhes MATRIZ DIGITAL – a serem utilizados pelos centros produtores de materiais e os formatos a distribuir pelos alunos – nem todos os alunos precisam dos mesmos media para aceder à informação;
  • que exista o conceito de MATRIZ DIGITAL e que esta possa ser utilizada não apenas para produzir materiais em formato digital adequados às necessidades dos utilizadores mas também para produzir materiais em formato não digital – apesar de vivermos num mundo crescentemente digital, com fantásticas tecnologias, nomeadamente tecnologias de apoio, temos a noção que estas têm insuficiências de função por resolver ou que se apresentam a preços exorbitantes face aos seus pares “tradicionais” não digitais. Na classificação de Negroponte, a geração que assistiu à passagem para o século XXI, se quiser privilegiar a função e manter-se nos justos limites do economicamente possível, ainda vai ter que cohabitar com o bit e com o átomo.
  • adotar formatos não proprietários, para os quais exista uma razoável proliferação de ferramentas (ferramentas de edição, ferramentas de conversão, ferramentas de leitura). Por exemplo, apesar de se saber que nos Estados Unidos eles têm um formato de arquivo – NIMAS – que parece só lhe faltar “tirar cafés” :-), na verdade ele revela-se-nos proprietário do Departamento de Educação Norte Americano. Não encontramos disponível na Internet ferramentas que qualquer um possa usar livremente – mas isto é mera constatação rápida, que pode ser alterada com um trabalho de exploração mais apurado nesta área. Perceção inversa temos com relação aos formatos HTML5 e ePub3. Eles afiguram-se-nos de utilização livre, com várias ferramentas disponíveis mas que, provavelmente, para responder afinadamente aos requisitos de acessibilidade precisam de desenvolvimentos (leia-se necessidade de investimento em horas de trabalho).

Nesta linha:

Algumas especificações a explorar:

Ferramentas de conversão de formatos

Ferramentas de edição

Ferramentas de leitura

Universidade de Évora lança CONTACONNOSCO

Lançado na sequência da publicação do estudo O Abandono Escolar no Ensino Superior – Estudo de Caso na Universidade de Évora, o Programa CONTACONNOSCO inclui um conjunto de ações que visam um acompanhamento mais próximo do percurso dos estudantes.

A questão do abandono escolar é multidimensional e transversal às várias Instituições de Ensino Superior, mas levanta desafios específicos em universidades localizadas no interior do país e/ou de menor dimensão, como a Universidade de Évora (UÉ). Nesta sequência foi realizado um estudo exaustivo, que decorreu durante um ano, por uma equipa pluridisciplinar de investigadores e técnicos da UÉ, para identificação das causas do Abandono Escolar na Universidade de Évora, de onde surgiram medidas orientadas para quatro domínios de intervenção principais: Escutar; Esclarecer; Aconselhar e Apoiar.

Para operacionalizar o Programa, a UÉ criou o endereço conta.connosco@uevora.pt, para onde os estudantes podem colocar as mais variadas questões e reportar de forma oficial as dificuldades sentidas no seu percurso académico, ficando os diferentes serviços da UÉ aptos a responder e atuar de forma mais célere e eficaz.

Neste âmbito, foi ainda lançado um ciclo de seminários temáticos CONTACONNOSCO, promovidos por docentes da UÉ, que decorrem de forma regular ao longo do ano letivo e que abordam temas relacionados com o desenvolvimento e obtenção de competências transversais.

Para o ano letivo 2016/2017 foi estabelecido um ciclo de Seminários CONTACONNOSCO que abordam temas como Planeamento, Organização e Gestão do Tempo; Autorregulação do Estudo e da Aprendizagem; Educação Financeira; Comportamentos de Risco e Hábitos de Vida Saudáveis; Pesquisa Bibliográfica e Apoio à Elaboração de Trabalhos Académicos e Preparação para o Mercado de Trabalho.

Integração e Acompanhamento de Estudantes

Universidade de Évora cria programa dirigido a apoiar sucesso académico dos seus estudantes

Atenta a todos os factores que condicionam o sucesso académico, a Universidade de Évora (UÉ) criou o Programa de Integração e Acompanhamento de Estudantes, uma iniciativa que prevê seguir de perto os estudantes relativamente aos seus processos de inclusão, integração, adaptação e acompanhamento no percurso escolar, com a intervenção de equipas multidisciplinares representativas da academia no seu todo.

Num 1º nível de abordagem, estas equipas contam com a envolvência do Gabinete de Apoio ao Estudante (GAE), Serviços Académicos, Serviços de Ação Social, Conselho Pedagógico por Escola, Associação Académica da UÉ, podendo ainda, e mediante a pertinência dos casos, ser incluído o psicólogo do GAE e a Comissão Executiva e de Acompanhamento do curso que o estudante frequenta.

O foco deste Programa é não só a promoção do sucesso académico dos estudantes, como também pretende promover a proximidade das estruturas envolventes, devidamente alinhadas numa dimensão holística.

Para requerer apoio através deste Programa, qualquer estudante da UÉ poderá faze-lo junto do GAE, nos Serviços Académicos (presencialmente ou por email) ficando este gabinete responsável por coordenar e gerir a instrução dos processos, assim como a constituição da equipa multidisciplinar e o acompanhamento dos estudantes, em função das necessidades identificadas em cada um dos casos em análise.

Bolsa de estudo para estudantes com incapacidade igual ou superior a 60%

Os estudantes com incapacidade igual ou superior a 60% podem, a partir deste ano lectivo, solicitar a concessão de uma bolsa de estudo correspondente ao valor da propina efetivamente paga. Para ser elegível para esta bolsa o estudante deve:

  • estar matriculado e inscrito numa instituição de ensino superior;
  • comprovar o grau de incapacidade através de um atestado de incapacidade multi-uso;
  • ter a situação tributária e contributiva regularizada.

Após a credenciação, o processo de candidatura é efetuado através do formulário da Direção Geral de Ensino Superior disponível online.

O calendário de aplicação e respetivos prazos de pagamento são fixados igualmente por despacho do diretor-geral do Ensino Superior, o qual, em síntese, define que os prazos para candidatura são: 20 dias úteis subsequentes à inscrição no ano letivo ou, no caso dos estudantes que já tenham efetuado inscrição, esse prazo inicia a contagem no dia útil seguinte ao da publicação do mesmo despacho (a data do presente despacho é de 27 de novembro de 2017).

Pode consultar o texto do Despacho nº 8584/2017 que aprova o Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo para Frequência no Ensino Superior de Estudantes com incapacidade igual ou superior a 60%.

Programa Inclusão para o Conhecimento do MCTES

GT-NECTES. (Novembro 2017). Programa Inclusão para o Conhecimento – Relatório Final (PDF; 514KB; 29 páginas A4).

índice do documento

  1. Estrutura
  2. Contexto e âmbito
  3. Atribuições e composição do Grupo de Trabalho para as necessidades especiais na ciência, tecnologia e ensino superior
  4. Relatórios preliminares dos subgrupos
    1. Subgrupos
  5. Modelo de governação
  6. Nota final
  7. Anexo – Recomendações

síntese

O presente documento contém 67 recomendações a implementar no Ensino Superior para melhorar o acesso do mesmo a estudantes com necessidades especiais.

Jornadas SUPERA 2017 no Porto, com participação do GTAEDES

A decorrer entre 1, 2 e 3 de junho, nas instalações do CACE Cultural, na
Rua do Freixo nº 1070, Porto,
na zona da Campanhã.

Este evento pretende dar a conhecer o que de melhor existe em termos de recursos, ideias, soluções tecnológicas e produtos de apoio, que facilitem a acessibilidade e a mobilidade de todos, independentemente da sua idade ou caraterística.

As JORNADAS SUPERA 2017 irão contemplar espaços de conferência/teórico-cientifica, espaço expositivo de materiais e soluções interativas emergentes e ainda espaço de demonstração de atividades desportivas e de animação.

Com o evento pretende-se dar a conhecer novos recursos que promovem a melhoria da qualidade de vida e a inclusão das pessoas com algum tipo de limitação, quer pela idade quer pela incapacidade congénita ou adquirida.

Jornadas SUPERA 2017, nos dias 1, 2 e 3 de junho.

No dia 2 às 16h e no dia 3 às 11:30h, o GTAEDES irá promover a atividade:

Estudantes com necessidades especiais: vamos falar sobre a frequência do Ensino Superior (informações e condições de frequência). Esta atividade decorre no espaço da exposição e é aberta a estudantes do 10º ao 12º ano e às suas famílias. A entrada é livre.

Para mais informações envie e-mail para:
saed@letras.up.pt ou malice@letras.up.pt ou visite-nos no stand da Expo-SUPERA.

Pode obter mais informações sobre as Jornadas da SUPERA 2017 visite a página: http://supera.org.pt/jornadas2017/